Category

moda

consumo consciente, estilo pessoal, moda

Atualizando um armário cápsula

Atualizando um armário cápsula pode ter seus desafios quando se deseja consciência nas peças que compra e aquele precinho!


Com a mudança de país, cultura e climática senti a necessidade de atualizar o meu armário cápsula. Cheguei a um ponto de não me identificar mais com algumas peças do meu guarda roupa e comecei vagarosamente à atualizar também o meu estilo pessoal.


O que é um armário cápsula?

Na década de 70 a guru britânica Susie Faux criou o termo armário cápsula para representar um guarda roupa funcional onde diversos itens que nunca saem de moda e podem ser usados como peças de estação. Peças como mente recomendada para armário cápsula férias retas, camisas brancas e outros itens avulsos, simples e versáteis. Em geral, as peças desse guarda-roupa eram para funções básicas, nada statement, e nenhuma peça chave. 

Hoje a visão do armário cápsula mudou um pouco. Sendo considerado um armário que tenha de 20 a 40 peças, incluindo sapatos e casacos mas sem contar acessórios e itens especiais, como lingerie, roupa de academia ou pijamas.

Como você só usa uma pequena seleção de peças, precisa sempre renovar seu armário cápsula para que esteja de acordo com a estação. Cada vez que o faz, escolhe peças de outra parte do guarda-roupa, ou de onde quer que estejam guardadas. Então o armário cápsula é essencialmente a parte “ativa” do seu guarda-roupa e ele deve se sustentar sozinho durante toda estação.


Como avaliar a qualidade de uma peça?

Experimentar as peças é um passo fundamental para avaliar a qualidade da mesma.

Aprender a avaliar a qualidade de uma aquisição em potencial vai ser a melhor ferramenta para você se tornar especialista em encontrar bons produtos em todas as faixas de preços.

Para montar um guarda-roupa perfeito:

1) você precisa conseguir diferenciar um item durável e bem feito de um que parece bonito mas não vai sobreviver muitas lavagens;

2) também é necessário estabelecer prioridades ao decidir em quais itens investir um pouco mais de tempo (e dinheiro) e quais itens você não se importaria de substituir depois de algumas estações.

Uma peça de qualidade vai durar mais do que algumas estações, tem tecido gostoso, costuras bem-feitas e detalhes bonitos. Analise: tecido, costura, alfaiataria, forro e detalhes como botões e bolsos. 

A qualidade e o preço de um item nem sempre estão relacionados. Algumas peças são mais fáceis de produzir do que outras, e esse é o motivo pelo qual é possível encontrar itens bem-feitos a preços razoáveis. Assim, o fato de algo ser caro não quer dizer que o dinheiro foi utilizado para produzir algo de qualidade.


Adquira o hábito de inspecionar cada aquisição em potencial, independente do preço e da marca.


Manter e atualizar o guarda roupa

O ideal é que de duas a quatro vezes ao ano a gente faça aquela revisada minuciosa no guarda-roupa. É aquele momento de analisar o que usamos e não usamos e revisar nosso estilo pessoal para planejar-nos para a próxima estação.

Se você mora em um local que há mudanças climáticas extremas é necessário revisitar o seu armário 4x ao ano. Esse não era o meu caso em Salvador, mas ao me mudar de país tive de encarar climas extremos e o meu guarda-roupa não estava (e ainda não está) preparado para isso.

Atualmente estou no finalzinho do verão, as minhas roupas de inverno estão todas guardadas na parte de cima do guarda roupa e a preparação que estou fazendo é para a cápsula de outono/inverno.

Calça de veludo – Achadinho da última semana de saldos.

A primeira coisa que fiz foi olhar os moodboards do Pinterest procurando minhas inspirações de outono e inverno. Depois passei a pesquisar nas lojas online de fast fashion as possibilidades que tenho. Após identificar as minhas peças favoritas, eu faço uma visita às lojas para experimentar a peça, sentir o tecido de perto, observar costuras, acabamentos e o caimento da peça no corpo. 

Também estou desintoxicando o guarda-roupa. Como falei, desde que cheguei aqui eu mudei bastante e algumas peças que trouxe do Brasil já não representam o meu estilo. Então estou separando peças de roupas e calçados, que não me fazem mais feliz, para doação.

A próxima coisa a se fazer ao atualizar um armário cápsula é reservar um momento para definir paleta de cores e fórmulas que irá se usar na estação. Quais serão as peças básicas, chave e statement que melhor refletirá o estilo que deseja alcançar.


Atualizando o meu armário cápsula

Aproveitei a última semana de saldos para adquirir algumas peças que para mim eram prioridades.

Portanto, iniciei com prioridades: ainda estou no verão e sentia falta de t-shirts básicas que dão para todas as situações. Foi a primeira coisa que comprei! Três t-shits básicas para ir trabalhar e que posso usar também no outono/inverno.

Ao mesmo tempo comprei uma calça de veludo de cintura alta para ajudar também com os looks para o trabalho.

O próximo passo é de comprar pelo menos dois vestidinhos e duas saias não só para aproveitar setembro que ainda é um mês quente, como também brincar com sobreposições durante outubro e novembro.

Por isso, as sobreposições escolhidas foram um blazer e trench.

Já comprei uma malha vermelha de lã em fast fashion, sempre olhando para a qualidade do produto. Além disso, comprei casacão de inverno, no brechó de uma amiga, o que já reduz os meus gastos que seriam alto com peças invernais.

Os meus calçados também gritam socorro! Morar em Guimarães, cidade cheia de ladeiras, me fez abolir as duas botas de salto que trouxe. Não dá para ficar confortável, e os meus tênis estão caindo em pedaços.

Por isso, o meu plano é em setembro comprar um tênis bom de caminhada. Estou apaixonada pelo Puma Cilia e estou pensando seriamente em comprá-lo!

Também procuro uma sandália para o verão, mas na altura em que estamos, esse item fica para o próximo verão. E em outubro, vou pesquisar a bota de cowboy para arrasar no inverno!


Uma fórmula de look para o trabalho e universidade.

Em síntese, este é o meu plano e a próxima atualização será um pouco antes da chegada do inverno. O planejamento será entorno do frio que faz em Guimarães, e de viagens que farei para países que tendem a nevar. 


O que vocês mais gostaram deste post e quais outras informações sobre armário cápsula vocês procuram?

moda

Sustentabilidade – O que é uma marca sustentável?

Antes de irmos às postagens práticas da minha transição é necessário entender os conceitos da sustentabilidade. Por isso, vou iniciar o ano com muitas pesquisas conceituando sustentabilidade, moda ética, consumo consciente e assuntos que possam nos interessar nessa jornada.

O sistema da moda é algo complexo e com vários conceitos existentes. Um dos sistemas que ficou conhecido pela efemeridade de suas peças e a rapidez da produção de novos produtos, diminuindo o ciclo de produção e aumentando o consumo é o fast fashion.

Mas sabemos que o sistema de fast fashion, apesar de lucrativo, se tornou inviável para a sustentabilidade ambiental e social. Uma vez que no final desta cadeia temos o descarte rápido destes artigos de moda que encontra nos países mais pobres um dos seus destinos.

Como resultado dos problemas de degradação ambiental e agravamento nas condições sociais a sustentabilidade aparece como solução ganhando destaques nos últimos anos. A preocupação mundial cresce com relação aos impactos locais, sociais e ambientais, principalmente diante de uma série de acontecimentos históricos que causaram violentos processos de degradação humana e impactos ambientais. A exemplo do desabamento de um prédio de três andares, que ocorreu em Bangladesh há seis anos, em uma fábrica de tecidos onde morreram pelo menos 377 pessoas (BBC Brasil, 2013).

A produção, consumo e descarte de peças de roupas tem um número negativo no meio ambiente e em impactos sociais. Segundo a Global Fashion Agenda and Boston Consulting Group, o consumo de roupas irá aumentar substancialmente em 63% até 2030, o equivalente à 500 bilhões de T-shirt.

Por outro lado, apenas 20% das roupas são coletadas para reutilizar ou reciclar, com a grande maioria terminando em lixões.

A resposta para esse problema global em que a indústria da moda se encontra tem sido reativo e focado em estratégias pacíficas do que em perspectivas coesivas. As empresas preferem focar em tecnologias relacionadas à rapidez das produções, do que repensar como o design e manufatura podem incorporar a necessidade do consumidor e a sustentabilidade.

OS PILARES DA SUSTENTABILIDADE

Em 94 o conceito dos 3P (People, Planet e Profit), de um estudo feito por John Elkington, fez com que surgisse o Triple Bottom Line. Definindo a sustentabilidade em três pilares que se interseccionam resultando no alcance viável, justo e vivível de uma empresa no que tange a sustentabilidade.

Analisando-os separadamente, tem-se:

  • (Pilar) Econômico: cujo propósito é a criação de empreendimentos viáveis, atraentes para os investidores;

  • (Pilar) Ambiental: cujo objetivo é analisar a interação de processos com o meio ambiente sem lhe causar danos permanentes;

  • (Pilar) Social: que se preocupa com o estabelecimento de ações justas para trabalhadores, parceiros e sociedade.

Vale ressaltar que, recentemente, mais um pilar foi incorporado aos Bottom lines: o pilar cultural. No entanto, este pilar ainda não foi totalmente incorporado pelas organizações como forma de análise para a sustentabilidade. Mas acredito que o pilar cultural pode ser integrado no pilar social facilmente.

Esses são os pilares para a sustentabilidade de uma empresa mas no que tange a Moda, quais são os critérios para uma marca se posicionar como sustentável no mercado?

CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE NA MODA

Anthea foi um editorial feito por Kevin Oux e produzido por Sizá para a 4Less, uma marca de aluguel de roupas mensais e venda de roupas em segunda mão.

O Design e a Moda hoje assumem importantes papéis na sustentabilidade, quer seja criando novas formas de produção que não degradem o meio ambiente, quer seja informando e educando a população. Inclusive, penso que não faz mais sentido pensar Design ou Moda sem os conceitos de sustentabilidade embutidos.

Portanto, os designers que já pensam de maneira consciente e sustentável, ao desenvolver seus produtos levam em consideração a teoria dos três Rs: reduzir, reutilizar e reciclar.

Ué e a reciclagem?

A reciclagem aqui não é bem vista, uma vez que comprovou-se não ser a maneira mais ecológica quando comparada à redução e reutilização de materiais, já que na reciclagem há o uso de energia e emissão de CO².

Alguns critérios de sustentabilidade na moda com base em eventos e feiras do tema:

  • Comércio justo/ético;
  • Feito sob medida;
  • Artesanal;
  • Materiais orgânicos e naturais;
  • Reciclados/renascidos;
  • Vintage/segunda mão;
  • Vegan/sem produtos animais/sem crueldade;
  • Estampagem e tingimento de baixo impacto;
  • Redução de resíduos: nos ciclos de produção de peças de vestuário.
  • Produtos com responsabilidade socioambiental;
  • Eficiência de recursos.

————

Apesar de ainda ter muito caminho pela frente, a moda começa a incorporar a sustentabilidade, e algumas ações concretas começam a ser feitas nesse sentido.

Se você tem uma marca e quer torná-la mais sustentável, ou se você pensa em ter uma marca mas não vê sentido em criar sem ser sustentável (de verdade) indico um artigo que li em sala de aula. The ReDesign canvas: Fashion design as a tool for sustainability é um artigo da Anika Kozlowski, Cory Searcy e Michal Bardecki, publicado no Journal of Cleaner Production em fevereiro de 2018. O artigo faz literalmente um redesign do business canva pensando nos pilares da sustentabilidade. Link para download.

Quantas marcas que você consome são sustentáveis?

Arrivederci.

eventos, moda

Modtissimo 2018 – A feira de moda do Porto

O Modtissimo é uma feira de moda que surgiu em 1992, como sendo um salão de exposição exclusiva de tecidos estrangeiros.  Evento cresceu e pude conferir a edição da Modtissimo 2018 que aconteceu no Poto na última quinta-feira (27).

Criada pela Associação Portuguesa das Indústrias de Malha e de Confecção e a Federation française de la Maille, a partir da 3ª edição o salão abraçou expositores portugueses e a partir daí os números só foram crescendo.

Na 7ª edição firmou-se parceria com a Associação Portuguesa de Têxteis e Vestuário, transformando-se no único salão de tecidos e acessórios em Portugal com grande parte dos expositores nacionais.

Além da feira vasta de tecidos, acessórios e retalhos o Modtissimo reserva parte de sua programação para palestras, exposições e concursos culturais.

MODTISSIMO 2018

Durante o evento deste ano houve o concurso Upcycling Project by TAP, a companhia aérea desafiou jovens designers a fazerem um novo traje para os comissários de bordo com materiais de seus aviões desativados.

Assisti a palestra da NEONYT, antiga Ethical Fashion Show Berlin, que contou como esse evento se tornou um hub dedicado à moda e inovação sustentável. O que me fez revisitar meus antigos projetos de consumo consciente e moda sustentável. Me questionei de que forma posso retornar ao tema e contribuir para esse movimento que cresce cada vez mais?

A McDonald’s lançou seu concurso cultural para as novas fardas da empresa, aproveitando um evento com tantos jovens designers. A McDonald’s também deseja renovar seus trajes que não é atualizada há dez anos. O briefing é de uma farda que seja confortável mas que tenha um estilo atemporal, uma vez que a renovação do mesmo poderá ser daqui a cinco anos.

Também aconteceram várias palestras sobre tendências da WGSN, PROMOSTYL e CARLIN, assim como exibição de um Fashion Film Festival.

PRÓXIMOS EVENTOS

O Modtissimo aconteceu na Alfândega do Porto, um lugar enorme. E toda essa experiência foi uma grande explosão de insights na minha cabeça! A entrada é gratuita com cadastro prévio no site do evento, assim como a entrada nas palestras.

A experiência é válida e para você que mora em Portugal, vale a pena se deslocar de sua cidade para conferir um evento como esse.

Essa semana aqui em Guimarães começa um outro evento voltado para o têxtil e que também irei conferir chamado Contextile. E em meados de outubro acontece o projeto Atlantic Youth Creative Hubs (AYCH), uma parceria internacional para a promoção do empreendedorismo e emprego jovem.

Você tem algum evento de moda pela Europa para me indicar? Estou aceitando sugestões.

Arrivedercí,
Bruna Marconi.